Principal Orçamentação Declarações financeiras

Declarações financeiras

As demonstrações financeiras são registros escritos da situação financeira de uma empresa. Eles incluem relatórios padrão como o balanço patrimonial, declarações de receitas ou lucros e perdas e declaração de fluxo de caixa. Eles são um dos componentes mais essenciais das informações de negócios e o principal método de comunicação de informações financeiras sobre uma entidade a terceiros. Em um sentido técnico, as demonstrações financeiras são um somatório da posição financeira de uma entidade em um determinado momento. Geralmente, as demonstrações financeiras são elaboradas para atender às necessidades de diversos usuários, especialmente proprietários e credores atuais e potenciais. As demonstrações financeiras resultam da simplificação, condensação e agregação de massas de dados obtidas principalmente do sistema de contabilidade de uma empresa (ou de um indivíduo).



RELATÓRIO FINANCEIRO

De acordo com o Financial Accounting Standards Board, os relatórios financeiros incluem não apenas demonstrações financeiras, mas também outros meios de comunicação de informações financeiras sobre uma empresa a seus usuários externos. As demonstrações financeiras fornecem informações úteis nas decisões de investimento e crédito e na avaliação das perspectivas de fluxo de caixa. Eles fornecem informações sobre os recursos de uma empresa, reivindicações sobre esses recursos e mudanças nos recursos.



Relatórios financeiros são um conceito amplo que abrange demonstrações financeiras, notas às demonstrações financeiras e divulgações entre parênteses, informações suplementares (como preços variáveis) e outros meios de relatórios financeiros (como discussões e análises gerenciais e cartas aos acionistas). Os relatórios financeiros são apenas uma das fontes de informações necessárias para aqueles que tomam decisões econômicas sobre empresas comerciais.

O foco principal dos relatórios financeiros são as informações sobre os ganhos e seus componentes. As informações sobre lucros com base na contabilidade de exercício geralmente fornecem uma indicação melhor da capacidade presente e contínua de uma empresa de gerar fluxos de caixa positivos do que aquela fornecida por recebimentos e pagamentos de caixa.



Pitbulls e parolees tia data de lançamento do marido

PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

As demonstrações financeiras básicas de uma empresa incluem 1) balanço (ou demonstração da posição financeira), 2) demonstração dos resultados, 3) demonstração dos fluxos de caixa e 4) demonstração das alterações no capital próprio ou capital próprio. O balanço patrimonial fornece um instantâneo de uma entidade em uma data específica. Ele relaciona os ativos e passivos da entidade e, no caso de uma empresa, o patrimônio líquido em uma data específica. A demonstração do resultado apresenta um resumo das receitas, ganhos, despesas, perdas e lucro líquido ou prejuízo líquido de uma entidade para um período específico. Esta declaração é semelhante a uma imagem móvel das operações da entidade durante este período de tempo. A demonstração do fluxo de caixa resume os recebimentos e pagamentos de caixa de uma entidade relacionados às suas atividades operacionais, de investimento e de financiamento durante um determinado período. Uma demonstração das mutações do patrimônio líquido ou do patrimônio líquido reconcilia o patrimônio líquido do início do período de uma empresa com seu saldo final.

Os itens atualmente relatados nas demonstrações financeiras são medidos por diferentes atributos (por exemplo, custo histórico, custo atual, valor de mercado atual, valor confiável líquido e valor presente de fluxos de caixa futuros). O custo histórico é o meio tradicional de apresentação de ativos e passivos.

As notas às demonstrações financeiras são divulgações informativas anexadas ao final das demonstrações financeiras. Eles fornecem informações importantes sobre questões como depreciação e métodos de estoque usados, detalhes de dívidas de longo prazo, pensões, arrendamentos, impostos sobre a renda, passivos contingentes, métodos de consolidação e outros assuntos. As notas são consideradas parte integrante das demonstrações financeiras. Cronogramas e divulgações entre parênteses também são usados ​​para apresentar informações não fornecidas em outras partes das demonstrações financeiras.



Cada demonstração financeira possui um título, que fornece o nome da entidade, o nome da demonstração e a data ou hora abrangida pela demonstração. A informação fornecida nas demonstrações financeiras é principalmente de natureza financeira e expressa em unidades monetárias. As informações referem-se a uma empresa individual. As informações geralmente são o produto de aproximações e estimativas, ao invés de medições exatas. As demonstrações financeiras geralmente refletem os efeitos financeiros de transações e eventos que já aconteceram (ou seja, históricos).

As demonstrações financeiras que apresentam dados financeiros para dois ou mais períodos são chamadas de demonstrações comparativas. As demonstrações financeiras comparativas geralmente fornecem relatórios semelhantes para o período atual e para um ou mais períodos anteriores. Eles fornecem aos analistas informações significativas sobre tendências e relacionamentos ao longo de dois ou mais anos. As declarações comparativas são consideravelmente mais significativas do que as declarações anuais. As declarações comparativas enfatizam o fato de que as demonstrações financeiras de um único período contábil são apenas uma parte da história contínua da empresa.

As demonstrações financeiras intermediárias são relatórios para períodos inferiores a um ano. O objetivo das demonstrações financeiras intermediárias é melhorar a atualidade das informações contábeis. Algumas empresas emitem demonstrações financeiras abrangentes, enquanto outras emitem demonstrações resumidas. Cada período intermediário deve ser visto principalmente como uma parte integrante de um período anual e geralmente deve continuar a usar os princípios contábeis geralmente aceitos (GAAP) que foram usados ​​na preparação do último relatório anual da empresa. As demonstrações financeiras são frequentemente auditadas por contadores independentes com o objetivo de aumentar a confiança do usuário em sua confiabilidade.

Cada demonstração financeira é preparada com base em vários pressupostos contábeis: que todas as transações podem ser expressas ou medidas em dólares; que a empresa continuará em atividade indefinidamente; e que as declarações serão preparadas em intervalos regulares. Essas suposições fornecem a base para a estrutura da teoria e prática da contabilidade financeira e explicam por que as informações financeiras são apresentadas de uma determinada maneira.

As demonstrações financeiras também devem ser preparadas de acordo com os princípios contábeis geralmente aceitos e devem incluir uma explicação dos procedimentos e políticas contábeis da empresa. Os princípios contábeis padrão exigem o registro de ativos e passivos ao custo; o reconhecimento da receita quando ela é realizada e quando uma transação ocorre (geralmente no ponto de venda), e o reconhecimento das despesas de acordo com o princípio da correspondência (custos com receitas). Os princípios contábeis padrão exigem ainda que as incertezas e os riscos relacionados a uma empresa sejam refletidos em seus relatórios contábeis e que, geralmente, qualquer coisa que seja do interesse de um investidor informado deve ser totalmente divulgado nas demonstrações financeiras.

ELEMENTOS DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

O Financial Accounting Standards Board (FASB) definiu os seguintes elementos das demonstrações financeiras das empresas: ativos, passivos, patrimônio líquido, receitas, despesas, ganhos, perdas, investimento pelos proprietários, distribuição aos proprietários e lucro abrangente. De acordo com o FASB, os elementos das demonstrações financeiras são os blocos de construção com os quais as demonstrações financeiras são construídas. Essas definições do FASB, articuladas em seus 'Elementos das Demonstrações Financeiras de Empresas Comerciais', são as seguintes:

  • Ativos são prováveis ​​benefícios econômicos futuros obtidos ou controlados por uma determinada entidade como resultado de transações ou eventos passados.
  • Renda abrangente é a mudança no patrimônio líquido (ativos líquidos) de uma entidade durante um período de transações e outros eventos e circunstâncias de fontes não proprietárias. Inclui todas as mudanças no patrimônio líquido durante um período, exceto aquelas resultantes de investimentos pelos proprietários e distribuições aos proprietários.
  • Distribuições para proprietários são diminuições nos ativos líquidos de uma determinada empresa resultante da transferência de ativos, prestação de serviços ou incorrimento de passivos para os proprietários. Distribuições para proprietários diminuem a participação acionária ou patrimônio líquido em uma empresa.
  • Capital próprio é a participação residual nos ativos de uma entidade que permanece após a dedução de seus passivos. Em uma entidade empresarial, o patrimônio líquido é a participação acionária.
  • Despesas são saídas ou outros usos de ativos ou incorrer em passivos durante um período desde a entrega ou produção de bens ou prestação de serviços, ou realização de outras atividades que constituem a operação principal ou central em curso da entidade.
  • Ganhos são aumentos no patrimônio líquido (ativos líquidos) de transações periféricas ou incidentais de uma entidade e de todas as outras transações e outros eventos e circunstâncias que afetam a entidade durante um período, exceto aqueles que resultam de receitas ou investimentos pelo proprietário.
  • Investimentos por proprietários são aumentos nos ativos líquidos de uma determinada empresa resultantes de transferências para ela de outras entidades de algo de valor para obter ou aumentar a participação acionária (ou patrimônio líquido) nela.
  • Responsabilidades são prováveis ​​sacrifícios futuros de benefícios econômicos decorrentes de obrigações presentes de uma determinada entidade para transferir ativos ou fornecer serviços a outras entidades no futuro como resultado de transações ou eventos passados.
  • Perdas são diminuições no patrimônio líquido (ativos líquidos) de transações periféricas ou incidentais de uma entidade e de todas as outras transações e outros eventos e circunstâncias que afetam a entidade durante um período, exceto aqueles que resultam de despesas ou distribuições aos proprietários.
  • Receitas são entradas ou outras melhorias de ativos de uma entidade ou liquidação de seus passivos (ou uma combinação de ambos) durante um período de entrega ou produção de bens, prestação de serviços ou outras atividades que constituem as operações principais ou centrais em curso da entidade.

EVENTOS SUBSEQUENTES

Na terminologia contábil, um evento subsequente é um evento importante que ocorre entre a data do balanço patrimonial e a data de emissão do relatório anual. Os eventos subsequentes devem ter um efeito material nas demonstrações financeiras. Uma nota de 'evento subsequente' deve ser emitida com as demonstrações financeiras se o evento (ou eventos) for considerado importante o suficiente para que, sem essas informações, as demonstrações financeiras seriam enganosas se o evento não fosse divulgado. O reconhecimento e o registro desses eventos geralmente requerem o julgamento profissional de um contador ou auditor externo.

Os eventos que afetam as demonstrações financeiras na data do balanço patrimonial podem revelar uma condição desconhecida ou fornecer informações adicionais sobre estimativas ou julgamentos. Esses eventos devem ser relatados ajustando as demonstrações financeiras para reconhecer as novas evidências. Os eventos que se referem a condições que não existiam na data do balanço, mas ocorreram após essa data, não requerem um ajustamento às demonstrações financeiras. O efeito do evento no período futuro, entretanto, pode ser de tal importância que deve ser divulgado em nota de rodapé ou em outro lugar.

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PESSOAIS

A entidade que relata as demonstrações financeiras pessoais é um indivíduo, marido e mulher ou um grupo de indivíduos relacionados. As demonstrações financeiras pessoais são frequentemente preparadas para lidar com a obtenção de empréstimos bancários, planejamento de imposto de renda, planejamento de aposentadoria, planejamento de presentes e patrimônio e divulgação pública de assuntos financeiros.

Para cada entidade que relata, é necessária uma demonstração da posição financeira. A demonstração apresenta ativos a valores correntes estimados, passivos pelo menor valor entre o valor descontado de dinheiro a ser pago ou o valor de liquidação em caixa corrente e o patrimônio líquido. Também deve ser constituída uma provisão para estimativas de impostos sobre o rendimento sobre as diferenças entre o valor estimado dos ativos. Devem ser apresentadas declarações comparativas para um ou mais períodos. Uma declaração de alterações no patrimônio líquido é opcional.

EMPRESAS EM ESTÁGIO DE DESENVOLVIMENTO

Uma empresa é considerada uma empresa em estágio de desenvolvimento se substancialmente todos os seus esforços forem dedicados ao estabelecimento de um novo negócio e qualquer um dos seguintes estiver presente: 1) as operações principais não começaram, ou 2) as operações principais começaram, mas a receita é insignificante . As atividades de uma empresa em estágio de desenvolvimento frequentemente incluem planejamento financeiro, levantamento de capital, pesquisa e desenvolvimento, recrutamento e treinamento de pessoal e desenvolvimento de mercado.

Uma empresa em estágio de desenvolvimento deve seguir os princípios contábeis geralmente aceitos aplicáveis ​​a empresas operacionais na preparação de demonstrações financeiras. Em seu balanço, a empresa deve relatar as perdas líquidas acumuladas separadamente na seção de patrimônio líquido. Em sua demonstração de resultados, deve relatar receitas e despesas cumulativas desde o início da empresa. Da mesma forma, em sua demonstração de fluxo de caixa, deve relatar os fluxos de caixa cumulativos desde o início da empresa. Sua demonstração do patrimônio líquido deve incluir a quantidade de ações emitidas e a data de sua emissão, bem como os valores recebidos em dólares. A declaração deve identificar a entidade como uma empresa em estágio de desenvolvimento e descrever a natureza das atividades em estágio de desenvolvimento. Durante o primeiro período de operações normais, a empresa deve divulgar seu status de estágio anterior de desenvolvimento na seção de notas de suas demonstrações financeiras.

RELATÓRIOS FINANCEIROS FRAUDULENTOS

Relatórios financeiros fraudulentos são definidos como relatórios intencionais ou imprudentes, seja por ato ou omissão, que resultam em demonstrações financeiras materialmente enganosas. Relatórios financeiros fraudulentos podem geralmente ser rastreados para a existência de condições no ambiente interno da empresa (por exemplo, controle interno inadequado), ou no ambiente externo (por exemplo, indústria pobre ou condições gerais de negócios). A pressão excessiva sobre a gestão, como lucro irreal ou outras metas de desempenho, também pode levar a relatórios financeiros fraudulentos.

Os requisitos legais para uma empresa de capital aberto no que diz respeito a relatórios financeiros são, não surpreendentemente, muito mais rigorosos do que para empresas de capital fechado. E eles se tornaram ainda mais rigorosos em 2002 com a aprovação da Lei Sarbanes-Oxley. Essa legislação foi aprovada após o impressionante pedido de falência da Enron em 2001 e as revelações subsequentes sobre práticas contábeis fraudulentas dentro da empresa. A Enron foi apenas a primeira em uma série de falências de alto perfil. Sérias alegações de fraude contábil seguiram-se e se estenderam além das empresas falidas, para suas firmas de contabilidade. A legislatura agiu rapidamente para fortalecer os requisitos de relatórios financeiros e conter o declínio na confiança que resultou da onda de falências. Sem confiança nos relatórios financeiros das empresas de capital aberto, nenhuma bolsa de valores pode existir por muito tempo.

A Lei Sarbanes-Oxley é uma lei complexa que impõe requisitos pesados ​​de relatórios a todas as empresas de capital aberto. O atendimento aos requisitos dessa lei aumentou a carga de trabalho das firmas de auditoria. Em particular, a Seção 404 da Lei Sarbanes-Oxley exige que as demonstrações financeiras e o relatório anual de uma empresa incluam uma redação oficial da administração sobre a eficácia dos controles internos da empresa. Esta seção também requer que auditores externos atestem o relatório da administração sobre os controles internos. É necessária uma auditoria externa para atestar o relatório de gestão.

As empresas privadas não são abrangidas pela Lei Sarbanes-Oxley. No entanto, os analistas sugerem que mesmo as empresas privadas devem estar cientes da lei, pois ela influenciou as práticas contábeis e as expectativas comerciais em geral.

bom dia salario america lara spencer

AUDITORIA

A preparação e apresentação das demonstrações financeiras de uma empresa são da responsabilidade da administração da empresa. As demonstrações financeiras publicadas podem ser auditadas por um contador público certificado independente. No caso de empresas de capital aberto, a auditoria é exigida por lei. Para as empresas privadas, não, embora os bancos e outros credores muitas vezes exijam esse cheque independente como parte dos acordos de empréstimo.

Durante uma auditoria, o auditor conduz um exame do sistema de contabilidade, registros, controles internos e demonstrações financeiras de acordo com os padrões de auditoria geralmente aceitos. O auditor, então, expressa uma opinião sobre a justiça das demonstrações financeiras em conformidade com os princípios contábeis geralmente aceitos. Quatro opiniões padrão são possíveis:

  1. Opinião não qualificada - Esta opinião significa que todos os materiais foram disponibilizados, considerados em ordem e atendem a todos os requisitos de auditoria. Esta é a opinião mais favorável que pode ser emitida por um auditor externo sobre as operações e registros de uma empresa. Em alguns casos, uma empresa pode receber uma opinião sem ressalvas com adição de linguagem explicativa. As circunstâncias podem exigir que o auditor acrescente um parágrafo explicativo ao seu relatório. Quando isso é feito, a opinião é precedida do termo 'linguagem explicativa adicionada'.
  2. Opinião qualificada - esse tipo de opinião é usado para casos em que a maioria dos materiais financeiros da empresa estava em ordem, com exceção de uma determinada conta ou transação.
  3. Opinião adversa - Uma opinião adversa afirma que as demonstrações financeiras não representam de forma precisa ou completa a posição financeira, os resultados das operações ou os fluxos de caixa da empresa em conformidade com os princípios contábeis geralmente aceitos. Obviamente, essa opinião não é uma boa notícia para a empresa que está sendo auditada.
  4. Renúncia de opinião - Uma renúncia de opinião afirma que o auditor não expressa uma opinião sobre as demonstrações financeiras, geralmente porque acredita que a empresa não apresentou informações suficientes. Novamente, essa opinião lança uma luz desfavorável sobre o negócio que está sendo auditado.

A opinião padrão do auditor normalmente inclui as seguintes declarações, entre outras:

As demonstrações financeiras são de responsabilidade da administração da empresa; a auditoria foi conduzida de acordo com os padrões de auditoria geralmente aceitos; a auditoria foi planejada e executada para obter segurança razoável de que as demonstrações estão livres de distorções relevantes, e a auditoria forneceu uma base razoável para a expressão de uma opinião sobre a apresentação adequada da auditoria. O relatório de auditoria é então assinado pelo auditor e um diretor da empresa e datado.

BIBLIOGRAFIA

'Ajuste as demonstrações financeiras para apresentar melhor sua empresa.' Dono do negócio . Maio-junho de 1999.

Atrill, Peter. Contabilidade e finanças para não especialistas . Prentice Hall, 1997.

Ei, Cunningham, David. Demonstrações Financeiras desmistificadas . Allen & Unwin, 2002.

Kwok, Benny K.B. Irregularidades contábeis nas demonstrações financeiras . Gower Publishing, Ltd., 2005.

Stittle, John Relatórios anuais . Gower Publishing Ltd., 2004.

Taulli, Tom. The Edgar Online Guide to Decoding Financial Statements . J. Ross Publishing, 2004.

Taylor, Peter. Escrituração e contabilidade para pequenas empresas . Business & Economics, 2003.