Principal Outro Equilíbrio financeiro

Equilíbrio financeiro

Uma empresa pode financiar sua operação usando patrimônio líquido, dívida ou ambos. Capital próprio é dinheiro pago ao negócio - o dinheiro do próprio proprietário ou dinheiro contribuído por um ou mais investidores. Os investimentos de capital são certificados pela emissão de ações da empresa. As ações são emitidas em proporção direta ao valor do investimento, de forma que quem investiu a maior parte do dinheiro efetivo controle a empresa. Os investidores colocam dinheiro em uma empresa na esperança de compartilhar seus lucros e na esperança de que o valor das ações cresça (valorize). Eles podem ganhar dividendos, é claro (a parcela do lucro), mas podem realizar o valor das ações novamente apenas vendendo-as.



Dinheiro obtido incorrendo dívida é a segunda maior fonte de financiamento. É emprestado de um credor a uma taxa fixa de juros e com uma data de vencimento predeterminada. O principal deve ser pago integralmente até a data fixada, mas os reembolsos periódicos do principal podem fazer parte do acordo de empréstimo. A dívida pode assumir a forma de empréstimo ou venda de títulos; a forma em si não altera o princípio da transação: o credor retém o direito ao dinheiro emprestado e pode exigi-lo de volta nas condições especificadas no acordo de empréstimo.



EQUITY DYNAMICS

A dinâmica de investir dinheiro em uma empresa - seja o dinheiro do proprietário ou de outra pessoa - gira em torno do risco e da recompensa. De acordo com as disposições da lei de falências, os credores são os primeiros da fila quando um negócio falha e os proprietários (incluindo os investidores) vêm por último e, portanto, correm um risco maior. Não surpreendentemente, eles esperam retornos mais elevados do que os credores. Por essas razões, o potencial investidor externo está muito interessado na exposição pessoal do proprietário em primeiro lugar - e na exposição de outros investidores em segundo lugar. Quanto mais o proprietário investe pessoalmente, mais motivos ele tem para fazer o negócio ter sucesso. Da mesma forma, se outras pessoas também investiram pesadamente, o novo investidor em potencial terá mais confiança.

A liquidez do investimento é outro ponto de pressão. Se uma empresa for de capital fechado, vender ações dessa empresa pode ser mais difícil do que vender ações de uma entidade de capital aberto: os compradores devem ser encontrados de forma privada; estabelecer o valor das ações exige auditorias da empresa. Quando uma empresa cresceu substancialmente e, portanto, suas ações se valorizaram, as pressões tendem a aumentar para 'abrir o capital' a fim de permitir que os investidores lucrem, se assim o desejarem. Mas se a empresa paga dividendos muito altos, essas pressões podem ser menores - os investidores hesitam em 'diluir' as ações vendendo mais e, assim, obtendo uma parcela menor do lucro.



Relação dívida-patrimônio

Se a empresa também utilizou a dívida como forma de financiar suas atividades, a perspectiva do credor também desempenha um papel. A proporção da dívida em relação ao patrimônio líquido da empresa influenciará a disposição do credor em emprestar. Se o patrimônio líquido for maior do que a dívida, o credor se sentirá mais seguro. Se a proporção mudar para o outro lado, os investidores serão encorajados. Eles verão cada um de seus dólares 'alavancando' muito mais dólares dos credores. A U.S. Small Business Administration, em sua página da web intitulada 'Fundamentos de financiamento', chega à seguinte conclusão para a pequena empresa: 'Quanto mais dinheiro os proprietários investem em seus negócios, mais fácil é atrair financiamento [de dívida]. Se sua empresa tem uma alta proporção de patrimônio líquido para dívida, você provavelmente deve buscar financiamento de dívida. No entanto, se sua empresa tem uma alta proporção de dívida em relação ao patrimônio, os especialistas aconselham que você deve aumentar o seu capital de propriedade (investimento de capital) para obter fundos adicionais. Dessa forma, você não ficará sobrecarregado a ponto de colocar a sobrevivência de sua empresa em risco. '

Ao controle

Para o proprietário da empresa, o controle é um elemento importante da dinâmica do patrimônio. A situação ideal é aquela em que 51% do patrimônio investido pertence ao proprietário - garantindo o controle absoluto. Mas se for necessário capital substancial, isso raramente é possível. A segunda melhor coisa é ter muitos pequenos investidores - outra condição difícil para o start-up criar. Quanto maior cada investidor, menos controle o proprietário pode ter - especialmente se as coisas ficarem complicadas.

VANTAGENS E DESVANTAGENS

Para a pequena empresa, a principal vantagem do patrimônio líquido é que ele não precisa ser reembolsado. Em contraste, os empréstimos bancários ou outras formas de financiamento de dívida têm um impacto imediato no fluxo de caixa e acarretam penalidades severas, a menos que os termos de pagamento sejam cumpridos. O financiamento de capital também é mais provável de estar disponível para startups com boas ideias e planos sólidos. Os investidores em ações buscam principalmente oportunidades de crescimento; eles estão mais dispostos a arriscar uma boa ideia. Eles também podem ser uma fonte de bons conselhos e contatos. Financiadores de dívidas buscam segurança; eles geralmente exigem algum tipo de histórico antes de fazerem um empréstimo. Muitas vezes, o financiamento de capital é o fonte de financiamento.



A principal desvantagem do financiamento de capital próprio é a questão de controle mencionada acima. Se os investidores têm ideias diferentes sobre a direção estratégica da empresa ou as operações do dia a dia, eles podem representar problemas para o empreendedor. Essas diferenças podem não ser óbvias no início, mas podem surgir quando os primeiros solavancos são atingidos. Além disso, algumas vendas de ações, como ofertas públicas iniciais limitadas, podem ser complexas e caras e, inevitavelmente, consumir tempo e exigir a ajuda de advogados e contadores especializados.

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CAPITAL PRÓPRIO

O financiamento de capital para pequenas empresas está disponível em uma ampla variedade de fontes. Algumas fontes possíveis de financiamento de capital incluem os amigos e familiares do empresário, investidores privados (desde o médico de família a grupos de proprietários de empresas locais a empresários ricos conhecidos como 'anjos'), funcionários, clientes e fornecedores, ex-empregadores, empresas de capital de risco, investimentos empresas bancárias, seguradoras, grandes corporações e empresas de investimento de pequenas empresas (SBICs) apoiadas pelo governo. As operações iniciais, que buscam o chamado financiamento de 'primeiro nível', devem quase sempre contar com amigos e 'anjos', pessoas privadas, em outras palavras, a menos que a ideia de negócio tenha um apelo real explosivo, atual, da moda.

As empresas de capital de risco freqüentemente investem em empresas novas e jovens. No entanto, como seus investimentos têm maior risco, eles esperam um grande retorno, que geralmente obtêm com a venda de ações para a empresa ou em uma bolsa de valores pública em algum momento no futuro. Em geral, as empresas de capital de risco estão mais interessadas em novas empresas de tecnologia de crescimento rápido. Eles geralmente estabelecem políticas e padrões rígidos sobre os tipos de empresas que considerarão para investimentos, com base em setores, áreas técnicas, estágios de desenvolvimento e requisitos de capital. Como resultado, o capital de risco formal não está disponível para uma grande porcentagem de pequenas empresas.

As empresas de investimento fechado são semelhantes às empresas de capital de risco, mas têm quantias menores e fixas (ou fechadas) de dinheiro para investir. Essas próprias empresas vendem ações aos investidores; eles usam os recursos para investir em outras empresas. As empresas fechadas geralmente se concentram em empresas de alto crescimento com bons históricos, em vez de em startups. Da mesma forma, os clubes de investimento consistem em grupos de investidores privados que reúnem seus recursos para investir em negócios novos e existentes em suas comunidades. Esses clubes são menos formais em seus critérios de investimento do que as empresas de capital de risco, mas também são mais limitados na quantidade de capital que podem fornecer.

As grandes corporações costumam estabelecer braços de investimento muito semelhantes às empresas de capital de risco. No entanto, essas empresas geralmente estão mais interessadas em obter acesso a novos mercados e tecnologia por meio de seus investimentos do que em obter ganhos financeiros estritamente. A parceria com uma grande empresa por meio de um acordo de financiamento de capital pode ser uma opção atraente para uma pequena empresa. A associação com uma empresa maior pode aumentar a credibilidade de uma pequena empresa no mercado, ajudá-la a obter capital adicional e também fornecer-lhe uma fonte de especialização que, de outra forma, poderia não estar disponível. Os investimentos de capital feitos por grandes empresas podem assumir a forma de uma venda completa, uma compra parcial, uma joint venture ou um acordo de licenciamento.

O método mais comum de usar funcionários como fonte de financiamento de capital é um Plano de Propriedade de Ações do Funcionário (ESOP). Basicamente, um tipo de plano de aposentadoria, um ESOP envolve a venda de ações da empresa aos funcionários, a fim de compartilhar o controle com eles, em vez de com investidores externos. Os ESOPs oferecem às pequenas empresas uma série de vantagens fiscais, bem como a capacidade de pedir dinheiro emprestado através do ESOP em vez de um banco. Eles também podem servir para melhorar o desempenho e a motivação dos funcionários, uma vez que eles têm um interesse maior no sucesso da empresa. No entanto, ESOPs podem ser muito caros para estabelecer e manter. Eles também não são uma opção para empresas nos estágios iniciais de desenvolvimento. Para estabelecer um ESOP, uma pequena empresa deve ter funcionários e estar no mercado por três anos.

Os investidores privados são outra fonte possível de financiamento de capital. Vários bancos de dados de computador e redes de capital de risco foram desenvolvidos nos últimos anos para ajudar a vincular empreendedores a potenciais investidores privados. Também existem várias fontes governamentais para financiar pequenos negócios por meio de financiamento de capital e outros acordos. As Small Business Investment Corporations (SBICs) são empresas de investimento de propriedade privada, licenciadas pelos estados em que operam, que fazem investimentos de capital em pequenas empresas que atendem a certas condições. Existem também muitas formas 'híbridas' de financiamento disponíveis que combinam características de financiamento por dívida e capital.

MÉTODOS DE FINANCIAMENTO DE CAPITAL PRÓPRIO

Existem dois métodos principais que as pequenas empresas usam para obter financiamento de capital: a colocação privada de ações com investidores ou firmas de capital de risco; e ofertas públicas de ações. A colocação privada é mais simples e comum para empresas jovens ou empresas iniciantes. Embora a colocação privada de ações ainda envolva o cumprimento de várias leis de valores mobiliários federais e estaduais, ela não exige registro formal na Securities and Exchange Commission. Os principais requisitos para a colocação privada de ações são que a empresa não pode anunciar a oferta e deve fazer a transação diretamente com o comprador.

Em contraste, as ofertas públicas de ações envolvem um processo de registro longo e caro. Na verdade, os custos associados a uma oferta pública de ações podem representar mais de 20% do montante do capital levantado. Como resultado, as ofertas públicas de ações geralmente são uma opção melhor para empresas maduras do que para empresas iniciantes. As ofertas públicas de ações podem oferecer vantagens em termos de manutenção do controle de uma pequena empresa, porém, ao espalhar a propriedade por um grupo diversificado de investidores, em vez de concentrá-la nas mãos de uma empresa de capital de risco.

Os empresários interessados ​​em obter financiamento de capital devem preparar um plano de negócios formal, incluindo projeções financeiras completas. Como outras formas de financiamento, o financiamento com capital próprio exige que o empreendedor venda suas ideias a pessoas que têm dinheiro para investir. Um planejamento cuidadoso pode ajudar a convencer os investidores em potencial de que o empreendedor é um gerente competente que terá uma vantagem sobre a concorrência. Em geral, o financiamento de capital pode ser uma opção atraente para muitas pequenas empresas. Mas os especialistas sugerem que a melhor estratégia é combinar financiamento de capital com outros tipos, incluindo fundos próprios do empresário e financiamento de dívida, a fim de distribuir os riscos do negócio e garantir que opções suficientes estarão disponíveis para necessidades de financiamento posteriores. Os empreendedores devem abordar o financiamento de capital com cautela para permanecerem os principais beneficiários de seu próprio trabalho árduo e do crescimento do negócio a longo prazo.

BIBLIOGRAFIA

Benjamin, Gerland e Joel Margulis. Capital do anjo; como obter financiamento de capital privado em estágio inicial . John Wile & Sons, 2005.

'The Capital Gender Gap: Apesar da saúde e da proliferação de empresas pertencentes a mulheres, as mulheres usam menos crédito comercial.' Business Week Online . 26 de maio de 2005.

Carter, Michael. 'Atualização do Capital de Participação Privada.' Fairfield County Business Journal . 27 de setembro de 2004.

Nakamura, Galen. 'Escolhendo Financiamento de Dívida ou Patrimônio.' Havaí Negócios . Dezembro de 2005.

perda de peso beth chapman 2016

Nugent, Eileen T. 'Junte-se ao clube.' Revisão do Direito Financeiro Internacional . Abril de 2005.

Administração de Pequenas Empresas dos EUA. 'Financiamento Básico.' disponível a partir de http://www.sba.gov/starting_business/financing/basics.html . Página visitada em 24 de março de 2006.